15 de fevereiro de 2015

Considerações finais.
Olá amigos que acompanharam o Blog América do Sul em Duas Rodas, inicialmente que me desculpas pelo demora na conclusão dos posts sobre o final da viagem. Ocorre que ao chegar em solo brasileiro a viagem de retorno pela região sul e sudeste foram de conteúdo familiar, visita a tios, primos e amigos que a muito não os visitava. O retorno até a cidade de Sorriso-Mato Grosso saindo de Porto Alegre foi pela BR 116 até próximo de Curitiba, daí até Apucarana  e depois interior de São Paulo e depois Campo Grande, e de lá pela BR 163 até Sorriso. Foram vários dias de viagem com inúmeras paradas. A finalização se deu em 28 de janeiro e após alguns cálculos, coloco a disposição para aqueles que gostam dos números da viagem:
A viagem durou 40 dias, nesses dias foram percorridos 16.575 Km, 880,72 litros de gasolina assim distribuídos:
Argentina 394,38 litros que custaram $    4.385,01 (Pesos Argentinos).
Brasil       355,38 litros que custaram R$  1.132,93.
Chile        113,64 litros que custaram $   96.068,00 (Pesos Chilenos).
Uruguai     17,32 litros que custaram $        700,00 (Pesos Uruguaios).
As hospedagens foram em camping, albergues, igrejas, postos da polícia entre outros, não fiz registro dos custos com alimentação, pois não houve uma regra para tal.

Agradeço a cada um de vocês que por aqui passaram e deixaram seu registro. 
Abraços de Estelio Luiz Negri e até a próxima.

19 de janeiro de 2015

29º Dia 18 de janeiro de 2015.
Acordei junto com o nascer do sol, pois o objetivo era chegar ao Brasil hoje, a migração da Argentina foi sem burocracia e com menos de 15 minutos já estava em solo uruguaio. Todavia a opção de percorrer pela Ruta 14 para economizar 277 Km e evitar o transito da praias, conheci um Uruguai pouco mostrado. Já rodovia fui parado pelo senhor Wilson Alves Nunes, que estava querendo saber sobre a moto e para onde estava indo por aquela rodovia, me aconselhou a retornar pois a rodovia federal era  abandonada, praticamente sem sinalização, e a pavimentação que encontra-se registrada em mapas, está somente no papel. Ouvi o conselho do uruguaio, mas resolvi seguir em diante, e a estrada era exatamente da maneira com que ele havia descrito, com o agravante de ser rotas de caminhões pesados decorrente da exploração de madeira na região, contudo os detalhes da fauna e da flora neutralizam as condições da estrada. Fica ai dica aos colegas. O ponto alto do dia foi encontrar com o missionário José Gomes, 67 anos, que percorre o Uruguai, parte da Argentina e sul do Brasil em uma bicicleta, nela encontra-se tudo que ele necessita: ferramentas, roupas, cozinha, material para pregação, pessoa simples, inteligente, com grande espiritualidade e antenado com as mudanças do mundo, ficando como exemplo para muitos que escolhem seguir na vida religiosa. Finalizei o dia em terras da Pátria Amada.

Total Percorrido no Dia 720 Km


Assim está a Ruta 14

 Missionário José Gomes, troca de presentes.
Não perco uma boa placa... 
 Ainda bem que não era para motos....não saberia o que fazer...

28º Dia 17 de Janeiro de 2015.
O sábado amanheceu com sol e tempo sem nenhuma nuvem, Thomas que estava indo ao Ushuaia aproveitou para sair cedo, já eu, Claudia e Mathias que íamos a Buenos Aires, pouco mais de 300 Km, fizemos um longo café da manhã. Por volta das 13h00, partimos ao chegarmos em Buenos Aires nos separamos o casal de alemães foram ao hotel e eu fui em direção ao porto para comprar o bilhete do BuqueBuss. Lá chegando constatei que já haviam se esgotados os bilhetes e que somente para o domingo de manhã haveria outra embarcação, que por se tratar de final de semana não há a travessia da meia noite como de costume. Para o domingo o preço é de U$ 275,00, achei o preço não compatível para uma travessia de duas horas, e optei então em ir até o passo de Gualeguaychú, que fica a 200km da capital. Quando sai da região metropolitana de Buenos Aires já se passavam das 21h00, e a auto pista estava movimentada, pois se tratava de final de semana. Após percorrer 63 Km achei prudente parar e pernoitar em um camping, todavia o camping é com a finalidade de pesca, muitas pessoas, som alto e bebida. Então segui viagem até um posto da Policia Gendarmeira Nacional, um destacamento que tem status de exército que utilizam motos para combater tráfico nas fronteiras, assim como segurança viária nas auto pistas federais. Parei para pedir informações e descansar um pouco, pois o ponto mais próximo era um Posto de gasolina à 78 Km dali, onde pretendia armar barraca e pernoitar por lá mesmo. Conversando com o soldado Ricardo sobre a auto pista que estava movimentadíssima, a velocidade permitida na via de 130Km/h e não possuí radar... entre outros assuntos. Para minha surpresa o soldado Ricardo Iñaes pediu que ficasse ali, pois estaria mais seguro, autorizou que eu armasse a barraca na varanda que tem aos fundos do posto policial, assim o fiz e pernoitei.  

Total Percorrido no dia 420 Km.




27º Dia 16 de Janeiro de 2015.
A sexta feira amanheceu com calor e muita umidade, mas as retas continuam. A Província de La Pampa por onde percorri por todo o dia, é uma região agrícola, com diversidade de plantios, tais como girassol, milho, feno, trigos entre outras, formando um colorido especial. A estrada tem me proporcionado presenciar exemplos de companheirismo e amizade, como esse que vou relatar. O Grupo Lengendários de Bio-Bio do Chile sairão em caravana formada por doze motos, sendo quatro custom e o restante big trail, o Grupo era comandado por Hernan, que avalio o grupo da seguinte maneira: “doze motos, doze problemas.” Mas soube conduzir harmonicamente todos do grupo por três horas, a uma velocidade de 60Km/h até que encontrassem um local para a manutenção de uma Honda Varadeiro 1000, que rompeu o rolamento da roda traseira. Mesmo sendo um grupo grande, todos tiveram a paciência de percorrerem vários quilômetros em baixa velocidade, pois sabiam que o colega poderia ter problemas se ficasse para trás.  O ponto alto do dia devo a “La Posta del viageiro en moto”, localizada na cidade de Azul-Ar. O lugar é simples e acolhedor, é administrado por Jorge e Monica, pessoas incríveis que já receberam milhares de viajantes de todas as partes do mundo que por ali passam. Seja de carro, moto, bicicleta ou a pé, Jorge carinhosamente chamado por seus amigos de “pollo” recebem a todos com atenção. Tive a oportunidade de chegar em uma sexta feira quando o grupo de amigos se reúnem para um churrasco. Além do grupo de amigos da La Posta, havia eu dois alemães Claudia e Mathias, e o Dinamarquês Thomas, ao todo eram 20 pessoas de 30 a 80 anos, amantes da estrada, falando de motos e viagem, a barreira da língua não foi impedimento para boas histórias e gargalhadas.  Quem estiver programando para passar pela Ruta 3, tem parada obrigatória na La Posta, fica em Azul, tenho certeza que irá passar momentos inesquecíveis com e poder presenciar os livros de registros de Jorge. Nas conversas da noite um argentino que reside em Rio Grande no sul da Argentina, nos informou que começou a se cobrado no Chile o SOAPEX, Seguro de acidentes pessoal para estrangeiros, não se trata da Carta Verde, o referido seguro começou a partir de 14 de novembro do ano passado, e tem o custo em torno de U$ 12,00 e tem validade para 30 dias. Pode ser emitido pela internet no site www.magallanes.cl

Total Percorrido no dia 554 Km.





 Hernan e filho.


 Apaixonados por motos e viagem reunidos na La Posta.

 Jardim da casa de Jorge.
Eu, Claudia e Mathias 
Monica, Eu e Jorge(Pollo)
26º Dia 15 de Janeiro de 2015.
Poucas mudanças no dia de hoje, vento e retas continuam, já os guanacos não mais apareceram. Hoje pude observar de longe o incêndio em um Parque Ecológico ao norte de Puerto Madrin, o fogo com o vento forte devastou uma área imensa do parque e uma vila chamada de “Playas Dorada” teve que ser evacuada por precaução. Um fato relevante a ser observado é a dificuldade de se efetuar câmbio em Reais nas região de praias ao sul da Argentina, pois em Trelew, cidade litorânea com aproximadamente 100.000 hab. não existe agências de câmbio, e os bancos somente efetuam cambio de dólar ou euro para clientes, o mesmo ocorre em Puerto Madrin, que possui uma agência de câmbio operando somente com dólar, enfim depois de PPS (Perguntar, Perguntar, Sempre), após umas três horas de procura, encontrei um camarada na calçada que efetuava um câmbio, assim denominado de: “alternativo”. Pois bem, o valor da moeda argentina estava valorizada em mais de 25% do cambio que fiz no Brasil. No entanto prevaleceu a Lei da oferta e da procura e eu estava novamente com “efetivos” no bolso, foi um alívio pois possuía moedas apenas para mais uma abastecida. Parti de Puerto Madryn e passei a noite em um camping em Colorado, bom camping, recomendo.

Total Percorrido no dia 497 Km.


Assim começa.
 Fogo na reserva ecológica.
 Assim se passa o dia.

15 de janeiro de 2015

25º Dia 14 de janeiro de 2015.

Hoje o dia não foi diferente de ontem, muitas retas, ventos e guanacos. As retas somente foram quebradas ao cruzar Caleta Olivia e Comodoro Rivadavia, que possuem uma paisagem exuberante onde os pampas encontram o Atlântico. A Ruta 03 corta a Argentina de norte a sul, e em Comodoro passa dentro da reserva Punta Marques. É lamentável ver a quantia de animais silvestre mortos na beira da pista, são dezenas de espécies de aves, lebres, emas, guanacos e outros, infelizmente com o intuito facilitar o deslocamento, escoar a produção e de levar o progresso, a natureza fica a segundo plano. Um fato curioso que percebi na região costeira até aqui, é que o comércio não esta aceitando cartão, pagamento somente em dinheiros, e quando aceita, o valor é diferenciado chegando a 10% a mais. Perguntei ao gerente de posto se havia problemas com as máquinas ou de comunicação com as operadoras, mas ele me afirmou que decorrente da crise que a Argentina vem atravessando o comércio em geral resolveu cortar custos, inclusive das operadoras de cartão. Espero que seja um problemas momentâneo, mas fica a dica para quem for viajar pela costa da Argentina, para não ter fadiga, tragam “cédulas”. Em Três Cerros encontrei com um ilustre morador de Ushuaia, Javier Oscar, que está retornando de uma viagem à região Sul do Brasil, enquanto uns vão em direção ao Fim do Mundo, outros partem de lá. E assim circulam os motociclistas.

Total Percorrido 806 Km.
 Assim inicio o dia.
 Pampas.
Se prestar atenção certamente irá encontrar o ano do seu nascimento na Ruta 03. 
 Lagoas de Sal.
 Riqueza dos Pampas.
Javier, morador de Ushuaia.
 Estrada margeando o Atlântico.
Viajante Solitário. 

 Assim como toda a cidade Boliviana tem uma "Plaza das Armas",
na Argentina toda cidade tem uma "Avenida San Martin".
 O final do dia chegando


13 de janeiro de 2015

24º Dia 13 Janeiro de 2015.
A manhã de hoje foi voltada a motoca, óleo e sair a procura da lâmpada do farol, pois queimou a baixa, a qual não consegui encontrar, então segui viagem. A estrada de hoje se resume em vento, retas e guanacos. Mas um fato que gostaria de estar relatando aqui com os amigos que acessam o blog, trata-se do que ocorreu hoje na estrada. Eu havia parado para tirar uma foto da reta, quando percebi que vinha em sentido contrario uma moto custon, então aguardei para vê-la passar, quando da minha surpresa ele parou, e me pediu se poderia ajuda-lo, pois necessitava abastecer a moto com o adicional que trazia, mas decorrente do vento forte não havia a menor possibilidade de fazer sozinho, já estava findando a reserva. Me prontifiquei a ajuda-lo, pois carrego comigo uma conexão que serve em qualquer galão que tenha uma polegada de bocal, assim facilita o abastecimento. Bom mas o que me chamou a atenção é que ele estava viajando com mais dois companheiros, que estavam disparados na frente. Faço a seguinte reflexão: Quando um grupo se dispõe a fazer uma viagem tem que se levar em considerações as diferenças de motocicletas e de personalidade de condutores o motociclismo prega a irmandade, deixar um irmão motociclista a deriva pode ser perigoso e levar a consequências desastrosas. Pois em local inóspito como era aquele, que a distância entre os dois postos de combustível era de 230 Km, vento forte e frio, um desiquilíbrio emocional por conta do nervosismo pode levar a um acidente. Se nos preparativos da viagem houver diferenças a qual o grupo não conseguira conviver é melhor que cada um siga por si, pois assim estará ciente do que poderá encontrar. Do que sair na certeza de contar com o companheiro de viagem e ficar desamparado. Finalizei o dia em San Juan em um camping que entre outras possui até internet para o campo, lá encontrei outro motoestradeiro de Buenos Aires que também viaja só.

Total percorrido 380 Km.
 Assim iniciou o dia.



 Assim finalizou o dia

 Amigo Nestor de Buenos Aires.
Central de Edição do Blog.

23º Dia 12 de Janeiro de 2015.

Após passar a noite no camping, onde a temperatura beirou os 3 °C, resolvi sair da barraca somente as 10h00 da manhã. Hoje haverá poucas fotos, pois o dia foi de muito frio rípio e em alguns pontos isolados chuva. Mas devo registrar uma correção com relação ao posto de abastecimento entre o trecho do Estreito de Magalhães e Rio Grande, existe um posto de abastecimento ao lado do posto de imigração argentino, o qual não observei na ida. Já que foi citado o assunto, a imigração chilena em San Sebastian, levou mais de duas horas, uma fila interminável a uma temperatura beirando 0 °C, foi o momento para testar os limites da paciência.  Finalizei o dia em Rio Galleno.

Total Percorrido no dia 469.

 Imigração Chilena.
 Por do Sol em Rio Gallenos.


22º Dia 11 de Janeiro de 2015.
As atividades iniciaram por volta das 8h30 onde me desloquei até o cais para um passeio de barco catamarã pelo Canal de Beagle, para conhecer a fauna da região, o passeio durou seis horas em uma embarcação confortável, e o mais importante: “climatizada”.  Durante o percurso tive a oportunidade de conhecer pessoas bonitas e descontraídas como as cariocas Nadia e Katia, que também estão viajando pelo extremo sul das Américas, assim como o mato-grossense as cariocas estavam curtindo o frio. Mais adaptados com o clima o casal Argentinos Angel e Carmen,  foram ótimas companhias para falar de estrada, é claro, pois viajam por toda a Argentina, assim como pelo Brasil, no retorno do passeio ainda disputaram partidas de  carteado, o Chin Chon. Ao retornar a Ushuaia fui visitar a famosa Baía de Lapataia, onde tudo começa, ou tudo termina. Encontrei com um grupo de motociclista da região de Santa Fé, que também registraram o momento, em especial o casal Rose e Carlos na qual bebemos um mate argentino. Como aqui anoitece por volta das 23h00, resolvi seguir viagem, todavia a distância entre Ushuaia e Rio Gallenos é mais de 500 Km, mas o tempo não estava colaborando, o frio ficou mais intenso e o vento contribuía para que eu procurasse um abrigo antes de anoitecer, chegando em Tolhuin, distante a pouco mais de 100Km de Ushuaia. Enquanto fazia o abastecimento da moto, obtive informações de um camping com boa estrutura, então para lá me desloquei. Chegando ao local me deparei com camping totalmente fora dos padrões normais. O camping Hain é conduzido por pessoas amabilíssimas e prestativas, o local reúne a beleza natural do Lago Fagnano e a reciclagem de tudo que possa ser reaproveitado, das maneiras mais singulares que possam parecer, em forma de arte ou simplesmente em utilitários. A família toda trabalha no parque e é comandada por Roberto Berbel, motociclista de longas datas, e auxiliado por German, Andres, Mavel e Juan Carlos. Quem tiver a oportunidade de estar passando por Tolhuin e curte o camping deverá conhecer. Além da área de camping com coberturas para as barracas ainda possui banheiros com água quente, refúgios para até quatro pessoas, e uma cozinha comunitária onde se pode ter boa conversa com que por lá estão passando, assim como ter a oportunidade de ouvir músicas latinas ao som de violão.

Total percorrido no dia 103 Km.


Vista Panorâmica de Ushuaia. 

Lobo Marinhos 
Farol do Fim do Mundo 


Pinguim de Magalhães 

Pinguim Rei

Nadia e Katia
 Angel e Carmen



 Grupo de Motociclistas de Santa Fé-Ar
Sempre tem um lobo no caminho.

Turma do Camping.
Roberto Berbel, German, Andres, Mavel e Juan Carlos.

Super Moto. 
Para proteger a barraca do vento frio.